segunda-feira, 27 de junho de 2016

[Dica da Malu] Minha vida mora ao lado


“Minha mãe nunca ficou sabendo de uma coisa, algo que ela reprovaria radicalmente: eu observava os Garrett. O tempo todo.”

Em Minha vida mora ao lado, romance de estreia da autora Huntley Fitzpatrick, conhecemos a jovem Samantha Reed, uma adolescente que tem tudo, mas sonha com a vida da família que mora ao lado da sua casa. O livro vai além de um romance adolescente, abordando temas importantes como a família, o amadurecimento, a honestidade e a importância das escolhas que fazemos.
Samantha é uma adolescente de 17 anos que mora com a mãe e a irmã mais velha e tem uma vida totalmente controlada. A mãe, Grace, é uma mulher metódica e organizada, que tenta passar essa disciplina para a vida das filhas, enquanto se dedica a carreira política. Tracy, a mais velha, era a mais rebelde e conseguiu escapar do controle materno. Sam, por outro lado, via toda sua vida sendo cuidadosamente planejada pela mãe, sem nunca a contestar.
Contrastando com a rigidez de Grace, a família que vivia na casa ao lado era desorganizada e barulhenta. Os Garretts tinham muitos filhos, mais do que seria aconselhável, segundo Grace, e viviam de um modo que ela desaprovada completamente. Tanto, que proibiu as duas filhas de terem qualquer contato com eles. No entanto, Sam passou anos observando-os de seu esconderijo e imaginando como seria a vida deles, que, apesar de bagunçada, parecia ser feliz e cheia de amor.
“Mesmo antes da família se mudar, era ali que me sentava, pensava e refletia. Mas, depois, era onde sonhava. [...] Era como assistir a um filme mudo, um filme muito diferente da minha vida.”
Tudo muda quando Sam conhece Jase, um dos filhos dos Garrett. A maneira simples e franca do garoto faz com que ela rapidamente se sinta à vontade com ele. Os dois acabam se aproximando e, com isso, ela passa a conviver com toda a família dele. O contraste com a sua própria vida é imediato. A condição financeira da sua mãe faz com que Samantha tenha uma vida muito confortável, enquanto que os Garrett precisam se esforçar para criar os oito filhos. No entanto, o que falta em luxo e conforto na casa deles, sobra em união, amor e carinho. Tudo que faltava na vida de Samantha.
“Nossa casa tem todas as novidades, tudo é high tech e incrivelmente limpo. E abriga três pessoas que preferiam estar em qualquer outro lugar”.
A medida que se aproxima dos vizinhos, a menina precisa lidar com o distanciamento cada vez maior da mãe. Grace começa a namorar Clay, um homem ambicioso que está ajudando em sua campanha para reeleição como deputada. Envolvida com o novo relacionamento e com a campanha, Grace participa cada dia menos da vida da filha. Assim, sem o controle constante da mãe, Sam passa a ter liberdade para fazer suas próprias escolhas, que a levam cada vez para mais perto dos Garrett.
Um dos pontos que me encantou nesse livro foi o desenvolvimento dos personagens, especialmente do casal principal. A autora consegue trazer personagens com qualidades e defeitos, o que faz com que eles sejam mais humanos e reais. Isso contribui para torná-los mais complexos e interessantes, fazendo com que o leitor compreenda seus medos, suas dúvidas e suas escolhas.
O modo como a autora constrói os dois núcleos principais da trama também é muito interessante. A família da Sam é fria, formal e desunida. Mas isso não significa que não exista um vínculo de amor entre ela, a mãe e a irmã. É um relacionamento complexo, permeado por mágoas, medos e cobranças. Já a família Garrett tem uma convivência cheia de amor e união, onde todos têm liberdade para expressar suas opiniões e participar das decisões importantes. No entanto, a vida deles também não é perfeita. O grande número de filhos acaba sacrificando um pouco os mais velhos, além de fazer com que a família precise conviver com problemas financeiros.
A história é bastante simples, mas me surpreendeu com a sensibilidade que assuntos importantes foram tratados. O romance entre Samantha e Jase se desenvolve de uma maneira muito bonita, mas está longe de ser o ponto principal desse livro. As reflexões sobre família, amizade e a importância de fazer o que é certo são, para mim, o aspecto mais interessante dessa história, que é ainda beneficiada por personagens cativantes, momentos divertidos e uma trama bem amarrada.
Gostei muito da escrita de Huntley Fitzpatrick. Achei que a autora soube dar um bom ritmo para a história, fazendo com que a leitura seja fluida e gostosa. Além disso, ela conseguiu dosar com competência clima de romance com os momentos mais sérios e dramáticos.
Deste modo, o livro foi o romance leve e divertido que eu imaginava, mas me surpreendeu pelas reflexões que trouxe. Os personagens realmente me cativaram e fiquei feliz em ver o modo como eles amadurecem ao longo da trama. Recomendo Minha vida mora ao lado por ser uma leitura simples, mas também encantadora.

Informações:
Minha vida mora ao lado
Autora: Huntley Fitzpatrick
Editora: Valentina

Páginas: 320

2 comentários:

  1. Me lembrou o filme O Pequeno Príncipe, lançado no ano passado! Esse constante entre a organização extrema e fria e um lar que, mesmo com seus defeitos, é aconchegante. Leria, com certeza!
    Gislaine | Paraíso da Leitura

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Gislaine, é uma leitura que eu recomendo. Essas reflexões sobre a família foram um ponto muito positivo do livro. Vale a pena conferir!

      Excluir

Copyright © 2013 | Design e C�digo: Amanda Salinas | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal